fbpx

A Carretera Austral é uma rota de mais de 1000km, na Patagônia Chilena, que começa em Puerto Montt e termina em Villa O’Higgins. A rota é cinematográfica, passando pelos Andes, por rios, lagos, geleiras, montanhas e uma vegetação incrível. A Carretera Austral é considerada uma das estradas mais cênicas do mundo. Nós sentimos o ar fresco por lá e vamos dividir tudo o que você precisa saber sobre a Carretera Austral para organizar sua viagem.

Nós conhecemos a Carretera Austral na nossa viagem de motorhome pelas Américas e ficamos impressionados com a beleza da estrada e das atrações pela Carretera Austral. Vale a pena reservar suas férias para conhecer essa rota cênica na Patagônia Chilena.

Pela Carretera Austral

Se suas expectativas são acampar em lugares incríveis e fazer trilhas para conhecer partes mais remotas e preservadas da natureza patagônica, não deixe a Carretera Austral de fora dos seus planos.

Fizemos um guia com tudo o que você precisa saber para percorrer a Carretera Austral, na Patagônia Chilena, de Puerto Montt até Chile Chico.

Leia também: 10 acessórios para fotografia de viagem

Sobre a Carretera Austral

A Carretera Austral, ou Ruta 7, é uma estrada de 1240km de extensão que começa no norte da Patagonia Chilena, em Puerto Montt, no Distrito dos Lagos Chilenos, até a parte mais ao sul da Patagonia Chilena, em Villa O’Higgins. A Carretera Austral passa pela Rota dos Parques Nacionais, que reúne 17 Parques Nacionais, totalizando 2.800 quilômetros de território.

A construção da Carretera Austral se iniciou em 1976, pelo Regime Militar de Augusto Pinochet.

A Carretera Austral possibilita o acesso às partes mais remotas da Patagônia Chilena, a região ao sul da Cordilheira dos Andes, banhada pelo Oceano Pacífico. Também por isso, trata-se de uma região pouco povoada, de baixa concentração demográfica.

Tenha em mente que um bom trecho da Carretera Austral é de rípio, em péssima condição, mas nada que impossibilite sua jornada por essa estrada incrível (apenas verifique se seu estepe está em boas condições).

Leia também: Uruguai: o melhor roteiro de carro

Como conhecer a Carretera Austral

Existem basicamente três formas de conhecer a Carretera Austral: de carro, de ônibus e de carona.

Com seu próprio veículo (ou alugado)

Nós conhecemos a Carretera Austral de motorhome, e foi uma experiência muito legal. De certa forma, viajar de carro te dá mais liberdade para parar onde você quiser pela estrada e apreciar a paisagem. Claro que, de carro, o custo com transporte acaba sendo maior, considerando despesas como o aluguel do carro (se você não estiver com seu carro), o combustível e algumas balsas que têm pelo trajeto.

Céu estrelado da Patagonia chilena

Se você for alugar, sugerimos que você faça o aluguel do seu veículo pelo Rentcars.com, pois o Rentcars.com permite que você pesquise e compare o valor do aluguel de diversas locadoras, e faça o pagamento em reais.

Você pode alugar o veículo no ponto mais ao norte da Carretera Austral, em Puerto Montt, no Aeroporto El Tepual, onde a Carretera Austral começa (ou termina) ou em Balmaceda, uma cidade próxima à Coihaique, no Aeroporto de Balmaceda, mais ao sul da Carretera Austral, a 716km de Puerto Montt.

Uma sugestão legal de trajeto, para você alugar e devolver o carro na mesma localidade, é percorrer o trajeto de ida pela Carretera Austral e o retorno pela Ruta 40, na Argentina. A Ruta 40 também é uma estrada cênica na Argentina, que corta o país de sul a norte, de Santa Cruz até a divisa com a Bolívia.

Nós fizemos o trajeto de Puerto Montt até Chile Chico em uma Sprinter 515. Nosso carro não é 4×4, mas não tivemos dificuldades. Observe apenas que em alguns trechos da Carretera Austral a estrada é bem ruim, então certifique-se que seu estepe está bom e que o carro tem todas as ferramentas necessárias, caso precise trocar algum pneu na estrada.

Outra opção é alugar uma campervan para percorrer a Carretera Austral, assim você não precisa gastar com alojamento e tem a liberdade de dormir onde quiser pelo caminho. Há algumas empresas especializadas em aluguel de campervan disponíveis em Puerto Varas, Coyhaique ou Punta Arenas: a Chile Motorhomes, Wicked Campers, Recasur ou Holiday Rent.

Foto da nossa viagem pela Patagonia, em 2019, com a campervan da Wicked

Se optar por conhecer a Carretera Austral de carro, lembre de abastecer sempre que tiver um posto de gasolina. Existem alguns trechos mais longos sem posto de gasolina. Outra dica é baixar o mapa do Google Maps para poder acessar mesmo sem internet (ainda que você esteja com chip de internet tem lugares que não vai pegar), além dos aplicativos Maps.me e iOverlander.

Antes de organizar sua viagem é legal dar uma olhada no estado das estradas (clique aqui para acessar o site que disponibiliza essa informação) e informação sobre os passos fronteiriços (clique aqui para acessar o site que disponibiliza essa informação).

Para te ajudar a organizar os custos com o carro, no trajeto de Puerto Montt até Chile Chico nós pegamos duas balsas: (a) La Arena – Puelche (operado pela empresa Transportes Del Estuario); e (b) Hornopirén – Caleta Gonzalo (operado pelas empresas Somarco e Transportes Austral).

Outra possibilidade é pegar uma balsa de Puerto Montt até Chaitén, para mais informações clique aqui.

Nós queríamos passar a maior parte do tempo possível na estrada, por isso optamos por fazer os trechos mais curtos de balsa, assim dirigimos por uma parte desse trajeto.

Leia também: 13 Acessórios para viagem que não podem faltar

De Carona

Vimos muitas pessoas pedindo carona pela Carretera Austral. Nós demos carona na Carretera Austral e ouvimos os relatos dos mochileiros que optaram por fazer o percurso dessa forma: eles disseram que é bem possível fazer a viagem de carona, que é uma experiência legal para conhecer outras pessoas, mas também que tem que ter um pouco de paciência, às vezes demora 15 minutos para conseguir uma carona e às vezes demora 3 horas.

Dicas para conhecer a Carretera Austral de carona:

  • É mais fácil conseguir carona em dupla ou em casal;
  • Dificilmente você vai conseguir carona por longas distâncias, por isso tente ir pegando caronas ao longo do trajeto que pretende percorrer, nem que seja por curtas distâncias;
  • Muita gente percorre a Carretera Austral de carona. Melhor ir para a beira da estrada tentar pegar carona cedo, assim você evita a competição;
  • Sempre leve comida e água, considerando que você não tem certeza sobre se vai ou não conseguir chegar no seu próximo destino, melhor sempre estar preparado; e
  • Leve a menor quantidade possível de bagagem.
Lua na Patagonia chilena

De ônibus

A Carretera Austral é uma estrada linda na Patagônia e, conhecê-la de carro certamente é a opção mais cômoda, assim você consegue parar onde quer, curtir a estrada no seu ritmo. Claro que, se o orçamento for menor, isso não é motivo para você deixar de conhecer a Carretera Austral.

Percorrer a Carretera Austral de ônibus, nessa situação, pode ser uma boa pedida. Atualmente o sistema rodoviário é confiável, sendo possível encontrar ônibus que fazer diariamente a maior parte dos destinos na Carretera Austral.

Lembre de comprar a passagem de ônibus com pelo menos um dia de antecedência, especialmente na alta temporada (janeiro e fevereiro).

Abaixo, indicamos as empresas de ônibus que fazem os trajetos pela Carretera Austral, para mais informações clique no nome das empresas para ser redirecionado.

Percorrendo a Carretera Austral de norte ao sul:

  • De Puerto Montt até Chaitén: trajeto operado pela Kemelbus, com saídas diárias do terminal de ônibus de Puerto Montt.
  • De Chaitén até Futaleufú: trajeto operado pelo Buses DyR, com saídas diárias.
  • De Chaitén até Puyuhuapi: trajeto operado pela Terraustral, com saídas segundas e sextas.
  • De Chaitén até Coyhaique: trajeto operado pela Buses Becker, com saídas todas as quartas e domingo.
  • De Coyhaique até Villa Cerro Castillo: duas empresas fazem o percurso, a Terraustral (parada em Villa Cerro Castillo no trajeto Coyhaique até Puerto Tranquilo) e a Buses Santibañez. Para mais informações clique aqui.
  • De Coyhaique até Puerto Río Tranquilo: trajeto operado pela Terraustral, com saídas diárias.
  • De Puerto Río Tranquilo até Chile Chico: trajeto operado pela Martín Pescador, com saídas perto do posto de gasolina COPEC.

Percorrendo a Carretera Austral de sul ao norte:

  • De Cochrane até Chile Chico: trajeto operado pela Buses Marfer, com saídas toda quarta, sexta e sábado.
  • De Cochrane até Puerto Río Tranquilo: todos os ônibus indo rumo ao norte passam por Puerto Río Tranquilo, após Cochrane.
  • De Cochrane até Villa Cerro Castillo: todos os ônibus indo rumo ao norte passam por Villa Cerro Castillo, após Cochrane.
  • De Villa Cerro Castillo até Coyhaique: duas empresas fazem o percurso, a Terraustral e a Buses Santibañez. Para mais informações clique aqui.
  • De Coyhaique até Puyuhuapi: trajeto operado pela Terraustral, com saídas diárias na alta temporada.
  • De Puyuhuapi até Chaitén: trajeto operado pela Terraustral, com saídas segundas, quartas e sextas.
  • De Coyhaique até Chaitén: trajeto operado pela Buses Becker, com saídas todas as terças e sábados.
  • De Chaitén até Futaleufú: trajeto operado pelo Buses DyR, com saídas diárias.
  • De Chaitén até Puerto Montt: trajeto operado pela Kemelbus, com saídas diárias.

Leia também: Tudo o que você precisa saber sobre Cabo Polonio

O que levar para sua viagem à Carretera Austral

A principal programação da Carretera Austral é curtir as paisagens incríveis e fazer trilhas. Por isso, na sua mala não pode faltar roupa adequada para trilha e para o frio da região (mesmo no inverno).

Pela Carretera Austral

Confira abaixo a lista de itens indispensáveis para sua viagem pela Carretera Austral:

  • Jaqueta a prova d’água: o clima na Patagônia é imprevisível, não deixe de levar jaqueta a prova d’água para as trilhas (clique aqui para ver o modelo masculino; clique aqui para ver o modelo feminino);
  • Roupa apropriada para trilha: o ideal é usar uma segunda pele ou jaqueta de fleece (clique aqui para ver o modelo masculino; clique aqui para ver o modelo feminino) e/ou uma jaqueta acolchoada por cima (clique aqui para ver o modelo masculino; clique aqui para ver o modelo feminino). Nós sempre preferimos levar as duas jaquetas (fleece e acolchoada) para não passarmos frio.
  • Bota para fazer trilha: não deixe de levar calçado apropriado para fazer trilha. Algumas trilhas são curtas, mas outras são longas, e o calçado faz muita diferença. O Ale tem um tênis da The North Face para trilha que ele adora, eu, particularmente, prefiro a bota por proteger o tornozelo. Clique aqui para conferir o modelo da Salomon masculino; Clique aqui para conferir o modelo da Salomon feminino.
  • Outra dica legal é levar meias apropriadas para o frio.
  • Garrafa d’água: recomendamos que você leve um modelo retrátil, assim não ocupa espaço na mochila.
  • Não deixe de fora da mochila o carregador portátil, assim você não fica dependente de tomada, pode carregar seu celular na trilha e, caso esteja viajando de carona, evita de ficar na mão. Clique aqui para ver o chip da EasySim4U, assim você já sai do Brasil com internet ilimitada no exterior.
  • Se for acampar, não deixe de levar saco de dormir de fibra sintética, isolante térmico, colchonete e barraca.

Quando conhecer a Carretera Austral

A melhor época para conhecer a Carretera Austral é entre os meses de novembro e abril, que corresponde ao fim da primavera, o verão e início do outono.

Entre os meses de novembro e abril o clima geralmente é mais quente e seco, no entanto, tenha em mente que prever o tempo da Patagônia é uma tarefa praticamente impossível, os locais brincam que nenhum site de previsão do tempo acerta.

Nós conhecemos a Carretera Austral em março e a nossa experiência foi excelente, praticamente só pegamos dias de sol. Observe que, mesmo entre novembro e abril, a temperatura na Patagonia abaixa muito durante a noite, sempre leve roupa de frio adequada.

Outra coisa para levar em consideração na hora de planejar sua viagem é que na baixa temporada (entre Maio e Outubro) nem todos os hotéis, hostels, campings, agencias de viagem, restaurantes e parques ficam abertos. Além disso, é um período suscetível a chuva e neve, o que pode até inviabilizar a passagem por alguns trechos da estrada.

Onde parar pela Carretera Austral: Puerto Montt até Chile Chico

Quando fomos planejar nossa viagem pela Carretera Austral ficamos perdidos em relação a onde parar e o que fazer pela estrada. Que a Carretera Austral é linda nós sabíamos, mas não sabíamos ao certo quais trilhas e outras atividades tinham no trajeto que percorreríamos: de Puerto Montt até Chile Chico.

Depois da nossa viagem pelo Chile, resolvemos dividir com vocês as principais paradas e atrações pela Carretera Austral, partindo do norte em direção ao sul da Carretera Austral, por isso nosso roteiro começa em Puerto Montt e termina em Chile Chico:

  • Puerto Montt
  • Chaitén e Parque Nacional Pumalín
  • Futaleufú
  • Puyuhuapi e Parque Nacional Queulat
  • Coyhaique
  • Villa Cerro Castillo e Parque Nacional Cerro Castillo
  • Puerto Río Tranquilo e Capelas de Mármore
  • Chile Chico e Parque Nacional Patagonia

Essa é a nossa sugestão de roteiro, caso você tenha um tempo delimitado para percorrer a Carretera Austral.

Caso pretenda percorrer toda a Carretera Austral, além dos pontos acima citados, depois de Chile Chico seu trajeto continuaria por Cochrane e Parque Nacional Patagonia, Caleta Tortel e Villa O’Higgins.

Leia também: A nossa história e porque decidimos viajar

Puerto Montt

Embora não fique oficialmente na Carretera Austral, Puerto Montt marca o início (ou fim) da Carretera Austral, localizado ao norte da estrada. É a partir de lá que geralmente as viagens pela Carretera Austral começam. De Puerto Montt é possível avistar o Vulcão Osorno e o Vulcão Calbuco.

Não há muito o que fazer em Puerto Montt, mas, por ser uma cidade maior do que as outras pela Carretera Austral, é um bom lugar para fazer câmbio, supermercado, comprar chip de celular, se necessário, enfim, para organizar o que você precisa para sua viagem.

Puerto Montt é porta de saída das balsas, ônibus e carros com destinação ao sul da Patagônia.

Chaitén e Parque Nacional Pumalín

Vulcão Chaitén

Chaitén é uma cidadezinha de poucas ruas, com algumas casas de madeira charmosas. Temos que dizer que praticamente todas as cidades que conhecemos na Carretera Austral (nossa viagem foi em março) pareciam cidades fantasmas.

O que importa é que Chaitén é porta de entrada para um dos parques que mais gostamos, o Parque Nacional Pumalín Douglas Tompkins.

O Parque Pumalín era uma reserva privada, em terras que foram compradas pelo fundador da The North Face, Douglas Tompkins, para preservar as espécies da região. Até 2017, o Parque Pumalín era a maior reserva privada do Chile. Em 2018 a reserva foi doada ao estado chileno e se tornou um Parque Nacional.

Nós adoramos o Parque Pumalín, as trilhas são muito bem conservadas, a sinalização é excelente, tudo é muito bem cuidado, até o site do Parque Pumalín é bem explicativo e detalhado.

O Parque Pumalín tem, no total, 12 trilhas. A trilha mais famosa do Parque Pumalin é a do Vulcão Chaitén. O Vulcão Chaitén entrou em erupção em 2008, depois de 9000 anos de inatividade, devastando a região. Depois da erupção do Vulcão Chaitén, o Parque Pumalín ficou fechado por 2 anos, entre 2008 e 2010, para recuperação dos danos causados. Vale muito a pena fazer a trilha, realmente é imperdível. A trilha do Vulcão Chaitén tem 4,4km de ida e volta, duração estimada de 2½ horas e grau de dificuldade médio/alto.

Além da trilha do Vulcão Chaitén, não deixe de fazer a trilha para conhecer os Alerces (Sendero de Alerces). Os Alerces são uma espécie de árvore que pode chegar aos 3000 anos de vida. Os Alerces são espécie ameaçada pela superexploração. Devido a sua rápida destruição o Alerce foi declarado como espécie protegida por um decreto nacional.

A preservação dos Alerces é indicada como uma das razões pela qual Douglas Tompkins adquiriu aquela área. As árvores são imponentes, é uma trilha muito bonita. A trilha tem aproximadamente 700m no total, duração estimada de 40 minutos e grau de dificuldade baixo.

Sendero de Alerces

Além dessas duas trilhas fizemos a trilha para o Mirador Ventisquero (a trilha tem aproximadamente 4,4 km ida e volta até o mirador, duração estimada de 2 horas e grau de dificuldade baixo/médio) e para as Cascadas Escondidas (a trilha tem aproximadamente 1,8 km ida e volta, duração estimada de 2 horas e grau de dificuldade baixo/médio), que também são lindas.

Cascadas Escondidas

No site do Parque Pumalín você encontrará informações sobre todas as 12 trilhas do parque.

Onde ficar

Se você for fazer a viagem em uma campervan ou tiver seu próprio equipamento de camping, vale a pena dormir no Parque Pumalín, ao invés de Chaitén. Para dormir no Parque Pumalín há uma taxa de CLP 6.000 (aproximadamente R$ 30) por pessoa, por noite. No norte do Parque Pumalín há algumas cabanas muito bonitas, com o valor um pouco mais salgado, as Cabañas Caleta Gonzalo.

No Parque Pumalín há alguns campings:

Outra possibilidade é ficar em algum dos hostels ou hotéis localizados em Chaitén, onde há mais opções de hospedagem, assim você consegue escolher a melhor opção de hospedagem dentro do seu orçamento, além de estar próximo ao Parque Pumalín.

Futaleufú

Lago Espolon

Futaleufú não é exatamente na Carretera Austral, estando localizada a uma distância de aproximadamente 70km da Carretera Austral. A cidadezinha de Futaleufú é charmosa, mas, na minha opinião, vale a pena parar Futaleufú mesmo por duas razões: (i) é um dos melhores lugares do mundo para fazer rafting e (ii) o trecho de desvio da Carretera Austral para chegar até Futaleufú é incrível, com lagos e paisagens de tirar o fôlego.

A atividade mais famosa de Futaleufú – e mais legal na nossa opinião – é o rafting no Rio Futaleufú, considerado um dos melhores do mundo para a prática de esportes aquáticos. Também é possível fazer caiaque pelos afluentes do Rio Futaleufú.

Nossa experiência de fazer rafting no Rio Futaleufú foi muito legal, nós fizemos o passeio com a empresa Patagonia Elements (a sede fica na praça principal de Futaleufú) e recomendamos, mas há diversas empresas que vendem o mesmo passeio.

Nós fizemos uma pesquisa de preço e o valor do rafting não variava muito, pagamos CLP 45.000 (aproximadamente R$ 250) por pessoa para fazer o passeio de meio dia, com duração das 14h às 18h30 e 8km de rafting. Do centro de Futaleufú o ônibus da empresa transporta a galera para o local de onde começa o rafting. A empresa disponibiliza todo o equipamento de segurança, a equipe era divertida e atenciosa e, no fim do passeio, tinha um lanche.

Em Futaleufú, além do rafting, vale a pena fazer a trilha para a Pedra de Aguilla, com distância de aproximadamente 3km, ida e volta, a partir do estacionamento, e grau de dificuldade fácil.

Foto da vista da Pedra de Aguilla pelo AndesHandbook

Em Futaleufú, mais próximo ao centrinho da cidade, tem um lago muito bonito e de águas calmas, chamado Laguna Espejo (o lago faz jus ao nome). No entanto, quando estávamos chegando em Futaleufú, ficamos encantados com o Lago Espolon e acabamos indo para lá andar de caiaque.

Onde ficar em Futaleufú

Há algumas opções de hotéis e pousadas em Futaleufú. Se o seu orçamento estiver mais alto, você pode optar por ficar no Hotel El Barranco ou no Peuma Lodge Patagonia. Uma boa opção de hospedagem mais em conta em Futaleufú é o Hostal Las Natalias. Outras duas opções de hospedagem legais e que são mais em conta são o Cabañas Sol de Montañas e o Cabañas Aitue.

Puyuhuapi e Parque Nacional Queulat

Puyuhuapi é uma cidadezinha remota, com influência alemã na sua arquitetura. Além disso, Puyuhuapi é porta de entrada para o Parque Nacional Queulat.

O Parque Nacional Queulat abriga uma das atrações imperdíveis da Carretera Austral: o Ventisquero Colgante.

O Ventisquero Colgante é um glaciar suspenso que fica a 1200 metros de altura, com aproximadamente 20km de extensão. Nós consideramos a Trilha do Mirador Ventisquero Colgante imperdível. É uma trilha um pouco mais comprida que as outras, com 6,5km de extensão (ida e volta), duração estimada de 2½ horas e grau de dificuldade médio, mas vale a pena a vista. Do mirador você consegue avistar o glaciar, com duas cachoeiras, a água cai como se estivesse evaporando, é lindo.


Tem outras trilhas no Parque Nacional Queulat, nós fizemos três delas: Trilha Mirador Ventisquero Colgante (sobre a qual falamos acima), Trilha Laguna Témpanos e Trilha do Mirador Panorâmico, cada uma terminando com uma vista diferente do Ventisquero Colgante. As trilhas para a Laguna Témpanos e Mirador Panorâmico são mais curtas, de modo que um dia é o suficiente para conhecer o Parque Nacional Queulat.

Onde ficar em Puyuhuapi

Para uma opção mais em conta de hospedagem em Puyuhuapi vale a pena conferir o Hostal Robinson, a Cabana Senderos Puyuhuapi ou o Hostal Don Luis Puyuhuapi. Para uma opção charmosa e confortável, você pode optar pelo Los Mañíos Del Queulat, Cabaña Turin, Cabaña Claudia Puyuhuapi ou Hostel Y Cabañas Augusto.

Já se estiver procurando um hotel mais sofisticado e exclusivo, o Puyuhuapi Lodge & Spa é a melhor opção, claro que o preço é um pouco salgado. O Puyuhuapi Lodge & Spa é acessível apenas por barco e dispõe de piscina termal ao ar livre, spa e restaurante gourmet.

Coyhaique

Coyhaique é uma cidade um pouco maior dos que as demais da Carretera Austral. É uma parada com mais infraestrutura do que as demais, com wifi na praça central e alguns restaurantes, sendo uma boa parada para você aproveitar para reabastecer a geladeira.

Coyhaique é um ponto central de transporte, conectando destinos ao norte e ao sul da Carretera Austral.

Não há muito o que fazer em Coyhaique. Caso você acabe ficando mais uns dias na cidade, vale a pena conhecer a Reserva Nacional Coyhaique, uma área silvestre protegida, que conta com 8 trilhas no total, além de uma trilha para pessoas com mobilidade reduzida. Para mais informações sobre o valor de ingresso na Reserva Nacional Coyhaique e as trilhas disponíveis clique aqui para acessar o folheto com informações turísticas da Reserva.

Onde se hospedar em Coyhaique

Para uma opção de hospedagem confortável e super charmosa, vale a pena conferir o Huella Patagónica Hostel ou o El Techo Rojo. Outras duas pousadas legais são o Huellas y Senderos Hotel e o Bed and Breakfast Don Tito.

Para uma experiência diferente, dê uma olhada no Patagonia Domos, onde você pode se hospedar em domos, com vista para o jardim, sem perder o conforto.

Já para uma opção mais sofisticada tem o Dreams Patagonia, com cassino, piscina aquecida, sauna e academia.

Villa Cerro Castillo e Parque Nacional Cerro Castillo

Villa Cerro Castillo é uma cidadezinha de poucas ruas, tranquila, onde está localizado o Parque Nacional Cerro Castillo. O Parque Nacional Cerro Castillo é considerado por alguns como um dos parques mais bonitos da Patagônia, sendo comparado a Torres del Paine.

As duas principais trilhas do Parque Nacional Cerro Castillo são a do Mirador Laguna Cerro Castillo (14km de trilha, ida e volta, com duração estimada de 6 a 8 horas e grau de dificuldade médio/alto) e o circuito Cerro Castillo Traverse (51km de trilha, ida e volta, com duração estimada de 4 dias e grau de dificuldade alto).

Nós fizemos apenas a trilha do Mirador Laguna Cerro Castillo e ficamos encantados com a beleza da paisagem, o contraste do azul do lago, com a montanha nevada atrás, é realmente muito bonito. O único ponto negativo da trilha é que o valor de entrada do parque é um pouco salgado, pois para chegar ao Parque Nacional Cerro Castillo você precisa passar por uma propriedade privada que também cobra um valor de ingresso. O valor total para fazer a trilha do Mirador Laguna Cerro Castillo foi de CLP 18.000 (equivalente a aproximadamente R$ 100) por pessoa.

Mirador Laguna Cerro Castillo

Dizem que as paisagens pelo Cerro Castillo Traverse, a trilha de 51km, são incríveis, mas exige um grau de preparo maior, além de equipamento adequado. Observe que as trilhas podem fechar caso o tempo não esteja bom (passamos por isso e tivemos que esperar alguns dias até o parque reabrir) e que o parque apenas fica aberto entre outubro a abril.

Clique aqui para ser direcionado ao site com o mapa do Parque Nacional Cerro Castillo e mais informações sobre as trilhas.

Onde se hospedar em Villa Cerro Castillo

Há algumas opções de hospedagem simples e charmosas em Villa Cerro Castillo. As pousadas e hostels que mais gostamos foram Chalet Cerro Castillo, Refugio Cerro Castillo, Hostel BaseCamp CERRO CASTILLO e Wingkul Castillo Domo.

Puerto Río Tranquilo e Capelas de Mármore

Puerto Río Tranquilo é uma cidade pequena, às margens do Lago General Carrera, onde ficam as imperdíveis Capelas de Mármore. As Capelas de Mármore são formações rochosas geradas pela erosão causada pelo vento e pela água.

As três principais formações das Capelas de Mármore são a Catedral, a Capela e a Caverna. As formações rochosas, em contraste com água esverdeada, compõem um cenário incrível. Não é a toa que, em 1994, as Capelas de Mármore foram declaradas Monumento Nacional.

Há duas formas de conhecer as Capelas de Mármore, em um passeio de barco (dura mais ou menos 1.5 horas) ou de caiaque. Nós optamos por fazer o passeio de barco porque percorria uma distância maior, de modo que poderíamos conhecer mais cavernas, além do valor ser significativamente menor, o passeio de barco custa aproximadamente CLP 9.000 (R$ 50) e o passeio de caiaque custa CLP 40.000 (R$ 225).

Outro passeio para quem está disposto a investir é a navegação até a Laguna San Rafael, no Parque Lagoa San Rafael, para conhecer a geleira San Rafael. O Parque Lagoa San Rafael possui 1.742.000 hectares, sendo o segundo maior Parque Nacional do Chile. Lá estão os Campos de Hielo Norte, declarados reserva da biosfera, são origem para vários rios e lagos.

Além disso, no Parque Lagoa San Rafael está o cume mais alto dos Andes austrais, com 4.058 metros, o Monte San Valentín. O passeio de barco é operado pelas empresas 99% Aventura e Rio Exploradores, com opções de passeio de um dia inteiro ou dois dias e valores a partir de CLP 150.000 (R$ 840).

Outro passeio legal (e um pouco mais em conta) é a trilha do Glaciar Exploradores. O Glaciar Exploradores fica a 52km de Puerto Río Tranquilo, sendo parte do Parque Lagoa San Rafael. Os passeios para realizar a trilha duram em média 10 horas, custam aproximadamente CLP 80.000 (R$ 448) e são operados pelas empresas 99% Aventura e Valle Leones.

Onde se hospedar em Puerto Río Tranquilo

Para ficar em chalés super bem decorados, com cara de casa de montanha e varanda com vista para o lago vale a pena conferir o Chelenko Lodge. O preço do Chelenko Lodge também é justo, considerando o que os chalés oferecem.

Para o aluguel de casas de temporada bem localizadas e charmosas, você pode optar pelo Turismo La Vasca ou Turismo Don Hugo.

Chile Chico e Parque Nacional Patagonia

Chile Chico foi a nossa última parada na Carretera Austral, de lá cruzamos a fronteira para a Argentina e seguimos viagem rumo a El Chaltén. Nosso plano era retomar ao Chile para fazer novamente as trilhas de Torre del Paine.

Chile Chico é uma cidade localizada ao sul do lago General Carrera que conta com um microclima que favorece o cultivo de produtos típicos de zona central. O resultado é o contraste da aridez da pampa com árvores frutíferas.

Além disso, Chile Chico é porta de entrada para o setor Jeinimeni do Parque Nacional Patagonia. Para chegar ao setor Jeinimeni, a partir de Chile Chico, pegue a rota X-753, até o Lago Jeinimeni. Por lá, não deixe de conhecer o Lago Jeinimeni e a Piedra Clavada, uma rocha vulcânica de 40 metros.

Para chegar à Piedra Clavada tem uma trilha com duração estimada de 4 horas (ida e volta), que termina com a vista incrível do Valle Lunar. Para mais informações sobre a trilha e valores de entrada nesse setor do Parque Nacional Patagonia clique aqui para ser direcionado para o folheto com informações da Província de General Carrera.

Além da trilha para a Piedra Clavada, há outras três trilhas nesse setor (Jeinimeni) do Parque Nacional Patagonia: (a) Sendero Laguna Esmeralda; (b) Sendero Escorial del Silencio; e (c) Sendero Mirador Lago Jeinimeni. Clique aqui para ser direcionado ao site da Ruta de los Parques para mais informações

Onde se hospedar em Chile Chico

Há algumas opções de hospedagem charmosas em Chile Chico, com cara de chalé de montanha e bem localizadas: Costanera Apart, El Engaño S.P.A., Posada del Río e Hostería de la Patagonia.

Veja abaixo o vídeo da nossa viagem pela Carretera Austral:

Curtiu esse post?! Deixa um comentário pra gente!

Cadastre seu e-mail para receber as dicas de viagem e fotografia do GetOutside.

4 thoughts on “Carretera Austral: Guia com tudo o que você precisa saber

  1. Pingback: 15 Livros de viagem para você se inspirar - GetOutside

  2. Fernanda Batista says:

    Puxa, vcs detalham mesmo a Carretera Austral! Muuuuito obg. Preciso voltar e ler tudo com calma p/ minhas notas! Bjos p/ vcs seus Lindões!!!!

  3. Ricardo Tramunt says:

    Ale&Duda! Tenho acompanhado vocês atentamente por Intagran e You tube. Agora li a descrição da viagem pelo site e realmente a viagem está descrita maravilhosamente pelas narrativas, fotografia e trilha sonora . O trabalho de voces é sensacional. Parabens.
    Gostaria de abusar em pedir uma opinião a voces : Tenho um Motorhome (6,30metros) , uma Miramar (Turiscar) montado numa F1000 a diesel e turbinada ( ano 1990) . Adoramos nossa casinha, e tenho minhas duvidas de que a “casinha da Duda ” é a mais linda de todas. Ah ! não sei , achamos que a nossa é a mais linda, heheheheh
    Já estivemos fazendo grande parte do Chile , desde Viña del Mar até Isla Chiloé. Adoramos . Mas o nosso sonho sempre foi fazer a carretera Austral . A pergunta é a seguinte : Com meu MH dá pra encarar o ripio da carretera Austral ??? .
    Se quiseres posso te passar uma foto de meu MH . O que voces acham??

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.