fbpx

San Carlos de Bariloche é uma cidade muito conhecida pelos brasileiros por conta da neve no inverno. Mas os encantos de Bariloche vão além disso com as belezas do lago Nahuel Huapi e demais lagos da região, e a Cordilheira dos Andes de pano de fundo.

O Ale e a Duda passaram praticamente um ano na Patagônia, e Bariloche foi um lugar que encantou os dois. Não é à toa que esse é um destino muito procurado pelos turistas: a cidade argentina tem atrações para quem curte inverno e verão, além de paisagens incríveis.

Bariloche tem muitas atrações para quem curte aventura e trilha, mas também tem passeios para quem quer fazer uma viagem mais relax. Nesse post vamos indicar atrações mais direcionadas para quem quer explorar a parte aventureira da cidade. Confira!

Bariloche no inverno ou no verão?

As atrações de Bariloche podem ser bem diferentes no verão e no inverno. Além disso, é bem difícil dizer qual é a melhor época para conhecer a cidade, porque todas as estações têm seu charme.

Para esquiar ou ver a cidade nevada, a melhor época para conhecer Bariloche é no inverno, entre os meses de junho, julho e agosto. No entanto, para fazer trilha e atividades ao ar livre, a melhor opção é visitar a cidade no verão.

No inverno algumas trilhas ficam fechadas pela grande quantidade de neve e você precisará de roupas e equipamentos apropriados para fazer algumas atividades. 

Já no verão você não vai ter as atividades como esqui, snowboard ou esquibunda, mas é um período de temperaturas mais agradáveis para as atividades ao ar livre. Além disso, dá para curtir uma praia de água doce (e as praias de Bariloche são muito lindas!).

Na primavera Bariloche também tem seus atrativos: a neve começa a derreter e formar cachoeiras lindas. A vegetação fica colorida e as temperaturas já não são tão baixas.

Porém, algumas trilhas ainda ficam fechadas, dependendo da quantidade de neve no inverno. Por exemplo, a trilha para conhecer o Cerro Tronador geralmente só abre no fim de novembro. 

Se você for para Bariloche na primavera, uma atração legal é conhecer o campo de tulipas que fica na Península de San Pedro e tomar um chá na casa de chá Las Pircas.

Vale lembrar que independente da época da sua viagem, na The North Face tem tudo o que você precisa, e usando o cupom VANLIFE10, suas compras saem com 10% de desconto


Como chegar em Bariloche?

Bariloche é acessível tanto por via terrestre, como aérea. Indo de carro, a partir de Porto Alegre, são aproximadamente 2.800 km de distância. A estrada de Porto Alegre até Bariloche é boa.

Já para quem vai fazer uma viagem de férias, a opção mais prática e rápida de chegar em Bariloche é de avião. O Aeroporto Internacional Teniente Luis Candelaria, localizado na cidade, recebe voos operados pela Aerolíneas Argentinas e pela Azul, a partir das principais cidades do Brasil com escala em Buenos Aires.

O aeroporto de Bariloche fica a aproximadamente 13 km do centro da cidade. Mas como não tem Uber na Argentina, de lá você vai precisar pegar um taxi, transfer ou ônibus. Outra opção é alugar um carro com ponto de retirada no próprio aeroporto.

Se o aluguel for a melhor escolha para você, sugerimos que o faça com a Rentcars. Com eles você consegue comparar o valor com outras locadoras e ainda pode fazer o pagamento em reais. 

Mas caso não queira alugar carro e precisar de transporte em Bariloche recomendamos o Mauricio (contato de WhatsApp: +54 9 2944 29-6265).

O Maurício é uma pessoa maravilhosa, super de confiança e fala português muito bem. Além do transporte, ele faz passeios e tem alguns apartamentos para aluguel em Bariloche e Dina Huapi (uma cidade bem próxima à Bariloche, com hospedagens mais em conta).

Quanto tempo ficar em Bariloche?

Você pode ficar 3 meses em Bariloche que não vão faltar atrações para conhecer por lá! Mas diria que você precisa de pelo menos 5 dias na cidade para conhecer as principais atrações.

Contudo, o ideal seriam 8 dias de viagem, assim você consegue conhecer também a Rota dos 7 Lagos (que é incrível!).

Onde se hospedar em Bariloche?

Agora, confira algumas sugestões de hospedagens em Bariloche para considerar na sua viagem:

Patagonia Jazz Hostel

hospedagem em Bariloche
Imagem/Reprodução Booking

Uma ótima opção para conhecer gente nova, o Patagonia Jazz Hostel fica bem pertinho do Centro Cívico. A hospedagem possui banheiro compartilhado em todos os quartos, serve café da manhã vegano e ainda oferece serviço de câmbio.

Bariloche Studio Center

Hospedagem em Bariloche
Imagem/Reprodução Booking

O Bariloche Studio Center é uma ótima pedida para você se sentir em casa na sua viagem. Essa hospedagem é um apartamento com quarto, cozinha, banheiro e sala de estar. Além dissio, está muito bem localizada, bem no centro da cidade.

Cacique Inacayal Lake Hotel & Spa

Hotel em Bariloche
Imagem/Reprodução Booking

Caso a sua vibe seja aproveitar a viagem com todo conforto de um bom hotel, o Cacique Inacayal Lake Hotel & Spa é uma boa pedida. 

Os quartos possuem banheira de hidromassagem privativa, e o local conta com restaurante próprio. Além disso, o hotel está localizado nas margens do lago Nahuel Huapi, o que proporciona uma vista incrível aos hóspedes.

Departamento en Cerro Catedral

Hospedagem em Bariloche
Imagem/Reprodução Booking

O Departamento en Cerro Catedral é uma boa opção para quem deseja ir esquiar em Bariloche e se hospedar perto dos centros de esqui. Esse apartamento possui quarto, cozinha, estacionamento privativo e até churrasqueira.

Clube del Cerro

Hospedagem em Bariloche
Imagem/Reprodução Booking

Outra opção para se hospedar perto das pistas de esqui do Cerro Catedral é o Clube del Cerro. Os quartos têm vista para as montanhas e contam com cozinha equipada.

Magia, cabana romântica em frente ao Lago

Hospedagem romantica em Bariloche
Imagem/Reprodução In Out Argentina

O Ale e a Duda se hospedaram em uma cabana incrível com vista para o lago, a Magia. Ela é toda de vidro e madeira, com charme de montanha, dois quartos (comporta 4 pessoas), cozinha, sala, lareira e um deck para curtir a vista. 

A cabana Magia fica a 4 km do centro cívico de Bariloche, e você pode personalizar sua experiência de hospedagem (com chocolates, refeições e vinhos). A diária está em torno de USD 80 (ARS 8000).

Como se locomover em Bariloche?

Tudo vai depender do seu roteiro e plano de viagem. 

Se estiver indo para Bariloche apenas para esquiar, vale a pena se hospedar próximo ao Cerro Catedral, onde fica a centro de esqui. Assim você não se preocupa com locomoção e pode ir esquiar caminhando mesmo. Ah! E não se preocupe, porque há mercados, cafés, restaurantes, etc. nos arredores.

Também tenha em mente que se você estiver indo para Bariloche no inverno e não tiver experiência para dirigir na neve, muitas vezes alugar um carro pode ser inconveniente e até perigoso. Pois dependendo da quantidade de gelo na pista é necessário colocar correntes nos pneus e ter bastante atenção para dirigir. Não recomendamos!

Sendo assim, caso o seu plano não seja aproveitar muitos dias no centro de esqui, você pode se hospedar no centro e usar taxi, transfer ou ônibus para se locomover pela cidade. 

O Ale e a Duda chegaram em Bariloche no inverno e o Maurício, um amigo querido que trabalha com turismo por lá (e que recomendamos mais acima), levou eles de carro para as principais atrações turísticas da cidade. 

Mas caso você não esteja indo para Bariloche na temporada de neve, alugar um carro é a melhor opção. Isso porque as atrações de Bariloche (trilha, lagos e passeios) são um pouco afastadas umas das outras, e de carro você teria mais liberdade para explorar a cidade.

O que fazer em Bariloche?

Circuito Chico

O Circuito Chico é uma das principais atrações de Bariloche. É um trajeto de aproximadamente 65 km às margens do lago Nahuel Huapi, que reúne algumas das mais lindas paisagens da cidade. 

Você pode fazer o circuito de carro ou até mesmo fazer uma parte dele pedalando, como o Ale e a Duda. Foram pouco mais de 40 km de bicicleta que eles alugaram pela Patagonia Bike Trips.

O bom do Circuito Chico é ir parando e conhecendo os principais pontos. Dá para fazer uma boa parte do trajeto em um dia, mas para conhecer tudo e fazer as trilhas com calma é melhor você separar pelo menos 3 dias. Já para algumas atrações, como o Cerro Lopez e a Colônia Suiza, seria bom você reservar um dia inteiro.

Pessoas de bicicleta fazendo o Circuito Chico em Bariloche


Cerro Lopez

Fazer a trilha para chegar até o Refúgio Lopez foi um dos programas favoritos do Ale e da Duda em Bariloche. Localizada no km 22,5 do Circuito Chico, a trilha de aproximadamente 11 km ida e volta (3h de subida) e 770 metros de elevação. Ela te leva até um refúgio vermelho no meio da montanha com uma vista surreal do lago e das montanhas. É de tirar o fôlego!

Se estiver com pique, você pode seguir pela trilha rumo a Laguna Negra, mas provavelmente precisará pernoitar ou no Refúgio Lopez ou no Refúgio Laguna Negra

Do Refúgio Lopes até a Laguna Negra são mais 10 km de trilha (apenas ida) e 600 m de subida.

Curtir a vista do Cerro Campanário

O Cerro Campanário é considerado uma das principais paradas do Circuito Chico. É possível subir ao cume do Cerro Campanário para apreciar as vistas dos diversos mirantes e tomar um café na confeitaria que tem por lá.

A subida pode ser pelo teleférico ou pela trilha. O teleférico funciona de segunda a domingo, de 9h às 18h30. A tarifa para subir é $600, crianças entre 5 e 12 anos pagam $300 e menores de 4 anos não pagam. 

A outra opção é subir pela trilha, que é curta e com o nível de dificuldade baixo. São aproximadamente 3,34 km de ida e volta, com 243 metros de ganho de elevação.

Ponto Panorâmico

No km 40 do Circuito Chico, a 945 metros acima do nível do mar, tem um ponto panorâmico com uma vista incrível do lago Moreno e da península Llao Llao. Vale a pena a parada!

Villa Tacul

Mulher deitada na pedra na Villa Tacul em Bariloche

Uma “praia” na margem do Lago Nahuel Huapi com água fria e cristalina e uma paisagem incrível! Villa Tacul é uma das “praias” mais lindas de Bariloche!


Cerro Llao Llao

A trilha do Cerro Llao Llao, localizado no Parque Municipal Llao Llao, proporciona uma vista incrível de Bariloche. É uma trilha de dificuldade baixa com aproximadamente 6 km de ida e volta, e elevação de 294 metros até o cume.

Sendero Arrayanes, Lago Escondido e Bahia de los Troncos

Outra trilha localizada no Parque Municipal Llao Llao, essa te leva para conhecer o Lago Escondido e a Bahia de los Troncos, também conhecida como Playa Plitos. 

A trilha começa em frente à casa do guarda parque municipal e, antes de entrar, há um desvio à esquerda. É possível iniciar o trajeto pelo Sendero Arrayanes y Lago Moreno (1,6 km) e depois seguir para Puerto Romano, Mirador Tacul, Lago Escondido e Bahia de los Troncos. O percurso completo dura aproximadamente 10 km ida e volta.

Hotel Llao Llao: um luxuoso hotel 5 estrelas!

O Hotel Llao Llao é um luxuoso hotel 5 estrelas localizado no Circuito Chico. 

Vale a pena fazer uma parada lá para ver o hotel e a vista. Dizem que também vale a pena se organizar para jantar no restaurante do hotel, por ser uma experiência diferenciada. 

Fábrica de Rosa Mosqueta

Conhecida por ser matéria prima de cosméticos, você vai se impressionar com a quantidade de rosa mosqueta que tem em Bariloche.

A rosa mosqueta é um fruto vermelho com uma série de propriedades. No Circuito Chico você pode parar na loja da Fábrica de Rosa Mosqueta para conhecer os produtos feitos com o fruto.

Colonia Suiza

Uma pequena vila de montanha localizada a 25 km de Bariloche, bem próxima ao Cerro López. A Colonia Suiza foi o primeiro assentamento europeu da região. Ainda mantém intactas as características originais da época de sua fundação, pois foi declarada como patrimônio histórico. 

Todas às quartas-feiras e domingos há uma Feira Regional de Artesanato, onde há comidas típicas como o Curanto, uma comida originalmente araucana, introduzida pelo Chile por um dos primeiros habitantes da colônia, Emilio Goye.  

A Duda e o Ale foram no Curanto de Víctor Goye, que é o mais tradicional por lá, experimentaram o prato típico e acharam uma experiência muito legal e diferente. 

Eles chegaram cedo para ver todo o preparo: os vegetais serem enterrados e o processo de colocar o fogo em cima para o cozimento. Tem opção vegetariana no curanto e o valor da refeição é ARS 1.500 por pessoa (o equivalente a USD 15).

Curtir um fim de tarde na Cervejaria Patagônia

A Cervejaria Patagônia é muito badalada e não pode ficar de fora do seu roteiro em Bariloche. Ela fica no Circuito Chico, em frente ao lago e tem uma vibe incrível, além de diversas opções de sabores de cerveja no cardápio. 

Passear pelo Centro Cívico e Calle Mitre

O Centro Cívico de Bariloche foi fundado em março de 1940 e declarado Monumento Histórico Nacional em 1987. Trata-se de uma praça rodeada por construções de pedra e madeira, que te faz sentir em uma cidadezinha nos Alpes europeus.

Além disso, o Centro Cívico é o principal ponto de encontro da cidade. Nele ficam a prefeitura, o Museu da Patagônia Francisco P. Moreno e o famoso relógio que todos os dias às 12h e 18h mostra as figuras que representam a região: o índio, o missionário, o fazendeiro e o conquistador. 

Também é no Centro Cívico que começa a Calle Mitre, uma das principais ruas turísticas da cidade. Nela você vai encontrar diversos comércios, chocolaterias e restaurantes. Vale muito a pena um passeio para provar muitos sorvetes e chocolates locais. Olha só:


Cerro Otto e Piedra de Habsburgo

 

Balanço gigante é uma das opções do que fazer em Bariloche

O Cerro Otto também faz parte dos principais pontos turísticos de Bariloche. Entre as suas atrações tem o teleférico que percorre 2.100 metros até o topo da montanha. Também tem o incrível balanço gigante do K-1 Mirador, com uma vista linda para a região.

Além disso, no topo do Cerro Otto ainda tem a Confeitaria Giratória que gira 360 graus a cada 20min, proporcionando uma vista panorâmica de Bariloche.

Ainda no Cerro Otto, perto do estacionamento da confeitaria, tem a Piedra de Habsburgo, um mirante de onde se tem uma vista panorâmica do lago Gutiérrez e do Cerro Catedral.

A trilha para a Piedra de Habsburgo tem cerca de 4 km e pode ser feita a pé, de carro ou com o teleférico.

Isla Victoria e Bosque de Arrayanes

Conhecer a Isla Victoria e o Bosque de Arrayanes é um outro passeio para se impressionar com as belezas naturais da Patagônia. 

As embarcações partem de Puerto Pañuelo, em Llao Llao, e fazem a primeira parada na Isla Victoria. Essa é a maior ilha do lago Nahuel Huapi e é repleta de trilhas por bosques lindos. Uma das trilhas leva até a Praia do Toro que se diferencia por sua areia vulcânica. 

Já na segunda parada, no Bosque de Arrayanes, você poderá fazer trilhas bem estruturadas em meio a centenárias árvores arrayán, típicas da região.

Cerro Tronador e Glaciar Ventisquero Negro

O Cerro Tronador pertence ao Chile e também à Argentina, e é o mais alto da região, com 3.487 metros. Trata-se de um complexo composto por bosques, cachoeiras e lagos.

Uma de suas principais atrações é o Glaciar Ventisquero Negro, que se diferencia dos demais pela sua cor escura. Isso acontece devido ao acúmulo de gelo com os sedimentos do vulcão.

Homem contemplanto o Glaciar Ventisquero Negro em Bariloche


Saltillo de Las Nalcas 

Mais uma opção de trekking em Bariloche, Saltillo de Las Nalcas fica no caminho do Ventisquero Negro. 

Mulher contemplando o cachoeira Saltillo de Las Nalcas em Bariloche

O lugar é bem bonito! A queda d’água da cachoeira tem pouco mais de 40 metros e cai sem tocar nas rochas, e vai de encontro ao rio Manso.

Já o nome Nalca faz referência a uma espécie de planta que é considerada pelos Mapuches (povo indígena originário da Argentina e do Chile) como uma Planta Madre, usada para alimento e fins medicinais.


San Martín de Los Andes pelo Caminho dos 7 Lagos

A famosa Ruta 40, também conhecida como La Ruta de los Siete Lagos, é uma estrada rodeada por paisagens surreais. O percurso tem diversas paradas com mirantes para apreciar a vista.

Esse é um passeio bate e volta de Bariloche a San Martín de Los Andes, muito oferecido pelas agências de turismo. Mas se preferir você pode fazer com mais calma e liberdade, alugando um carro e indo por conta própria.

De Bariloche a San Martín de Los Andes dá aproximadamente 200 km de viagem. Contudo, o Caminho dos 7 Lagos começa em Villa la Angostura que fica a cerca de 90 km de Bariloche. 

O trajeto passa pelos 7 principais lagos da região que são: 

  • Espejo Grande, 
  • Correntoso, 
  • Escondido, 
  • Villarino, 
  • Falkner, 
  • Machónico  
  • Lácar. 

Porém, apesar do nome, há mais 4 lagos que você pode conhecer pelo caminho, que são: 

  • Hermoso, 
  • Espejo Chico, 
  • Pichi Traful e 
  • Nahuel Huapi.

Tendo mais tempo no seu roteiro em Bariloche, vale a pena pernoitar em Villa la Angostura e em San Martín de Los Andes para conhecer as cidades com calma. 

Villa Los Coihues 

Partindo da Villa Los Coihues, dá para fazer uma trilha para conhecer 4 pontos muito legais de Bariloche:

  • Cascada de los Duendes: 400 m de distância;
  • Mirador Lago Gutiérrez: 1 km de distância;
  • Playa Muñoz: 5 km de distância;
  • Refúgio Frey: 10 km de distância.

Mulher fazendo trilha na Villa Los Coihues em Bariloche

A trilha é linda e rodeada por centenários coihues, árvores típicas da região. Além disso, também é muito bem sinalizada. 


  • Cascada de los Duendes e Mirador del Lago Gutiérrez

O trajeto para a Cascada de los Duendes é muito fácil e rápido de fazer. A cascada é uma pequena cachoeira com duas quedas, e que nas épocas mais quentes do ano fica com a correnteza mais forte, devido ao degelo das montanhas.

Casal posando em frente ao Mirador del Lago Gutierrez em Bariloche

Caminhando um pouco mais e com um trajeto um pouco mais complicado, pois trata-se de uma subida, se chega ao Mirador del Lago Gutiérrez. A vista lá de cima é muito linda e compensa todo esforço. 


  • Playa Muñoz

Continuando a trilha, a próxima parada é na Playa Munõz que se forma no Lago Guiérrez. Vale a parada para descansar apreciando à vista.

  • Refugio Frey

Por fim, a última trilha leva ao Refúgio Frey, localizado a 1.700 metros de altura no Cerro Catedral. Por isso também tem a opção de começar ela pelo próprio Cerro Catedral, ao invés da Villa Los Coihues. 

Essa é uma trilha mais longa e também com nível de dificuldade maior, principalmente no final que fica mais inclinada. Além disso, para a experiência ser ainda mais incrível, é possível pernoitar no Refúgio Frey ou acampar no entorno. Você pode conferir todas as informações e valores no site oficial.

Refugio Frey é uma das atrações de Bariloche

Aperta o play para conferir como foi a aventura do Ale e da Duda nesses 22,5 km de trilha:


Aproveitar sem pressa a Bahía Lopez 

Ao passar mais tempo em Bariloche, se for na temporada de primavera e/ou verão, você pode aproveitar os lagos para nadar, andar de caiaque ou só curtir o entorno, por exemplo.

Caiaque na Bahia Lopez em Bariloche

A Bahía Lopez fica na ponte do Arroyo La Angostura e é uma ótima pedida para esse tipo de passeio. Aperta o play para se inspirar:


Atrações para o inverno em Bariloche

Esqui no Cerro Catedral

O Cerro Catedral é uma das principais pistas de esqui do país. Também é muito conhecido por ser um dos primeiros e mais completos centros de esqui, com diversas pistas, restaurantes, teleférico e muito mais. Por isso é um dos mais procurados pelos brasileiros que vão esquiar em Bariloche. 

Cerro Catedral para esquiar em Bariloche

Ao todo, o Cerro Catedral possui 53 pistas de esqui para todos os níveis (de iniciantes até profissionais). A estação também conta com escola de esqui, atividades para crianças, trenós, entre muitas outras atrações. Fora da temporada de neve, o Cerro Catedral fica aberto no verão para atividades como trilhas, mountain bike, rapel, escaladas, entre outras. 

Por ser um dos mais procurados, o Cerro Catedral possui uma infraestrutura fantástica com muitas lojas, restaurantes e até hospedagens. 

Uma curiosidade sobre o local é que o pico da montanha do Cerro Catedral tem pontas que lembram o formato de uma catedral gótica, e isso justifica seu nome.

Dá só uma olhada como é esquiar no Cerro Catedral para quem está começando, como foi o caso da Duda, e para quem já tem experiência, como o Ale:


Ah, se você está em dúvida sobre o que levar para a sua viagem de neve clique aqui para ver o post sobre “Qual a roupa recomendada para a neve?”.

Se divertir no Parque Piedras Blancas

Caso você não saiba esquiar e prefere outro tipo de atividade na neve, uma opção legal para se divertir com a família é o Parque Piedras Blancas. Localizado na ladeira sul do Cerro Otto, Piedras Blancas possui 3 mil metros de pista exclusiva para praticar skibunda ou descer de boia (Tubing).

Além dessas atrações, também tem a Aerosilla que são teleféricos para subir a pista contemplando a vista, o Zipline que é uma tirolesa com mais de 1.500 metros sobre a neve, e também tem o Snow Safari que é um passeio de trenó puxado por moto.

Nem precisa dizer que é um lugar em que todo adulto volta a ser criança, não é?

No Parque Piedras Blancas ainda tem o Winter Park que é um centro de ski para iniciantes. 

O que fazer em Bariloche na primavera

Apreciar o Campo de Tulipas

Se você for conhecer Bariloche na primavera, vale a pena visitar o campo de tulipas. Eles ficam floridos e abertos à visitação apenas nesta época do ano. Além disso, o mês que o campo fica mais bonito é outubro.

Na propriedade também tem a charmosa casa de chá Las Pircas, com opções deliciosas no menu.

Mulher em meio ao campo de tulipa em Barilche

E então, gostou de saber mais sobre o que fazer em Bariloche? Comente com a gente o que você achou mais interessante. Ah! Mande também o nosso post para aquela pessoa que vai te acompanhar nessa viagem!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.