fbpx

Me arrisco em dizer que, até agora, dos vários destinos que conhecemos pelo Brasil, os Lençóis Maranhenses foi um dos mais bonitos. A beleza da areia quase branca e das várias lagoas de cor azul e verde é diferente de tudo o que já vimos.

Uma forma incrível de conhecer os Lençóis Maranhenses é a pé por um motivo: você vai passar por lagoas que não tem nome, por uma zona do parque inacessível de veículo motorizado e que, por isso, é vazia e selvagem.

Além disso, é um passeio bem completo, já que o passeio começa em Atins – passando pela praia, pela vila de Atins e lagoas próximas – e termina em Santo Amaro, no circuito mais tradicional de lagoas. Ou seja, é um passeio que passa pelas principais atrações dos Lençóis Maranhenses e, na minha opinião, com o melhor dos Lençóis Maranhenses.

Sobre o Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses

O Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses foi criado em 1981, com 155 mil hectares, sendo o maior campo de dunas do Brasil, com lagoas de água cristalina.

Como chegar nos Lençóis Maranhenses? 

As principais cidades que dão acesso ao Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses são Barreirinhas e Santo Amaro, ambas acessíveis de carro. Confira nesse post qual melhor lugar para usar como base para fazer os passeios nos Lençóis Maranhenses.

Os aeroportos mais próximos dos Lençóis Maranhenses são os de São Luiz/MA (230km de Santo Amaro) e Parnaíba/PI (280km de Santo Amaro). Do aeroporto de São de Luiz ou Parnaíba você pode ir de carro, ônibus ou transfer para Barreirinhas ou Santo Amaro.

Clique aqui para pesquisar, comparar e economizar no seu aluguel pela Rental Cars.

Se você for se hospedar em Atins vai ter que pegar um barco a partir de Barreirinhas.

Qual é a melhor época para viajar para os Lençóis Maranhenses?

A estação chuvosa é de fevereiro a maio e a seca de junho a janeiro. A melhor época é no início da seca, entre junho e setembro, quando as lagoas ainda estão cheias, mas já não chove tanto.

Onde se hospedar para fazer a travessia pelos Lençóis Maranhenses? 

Tem 3 lugares base para você se hospedar para conhecer os Lençóis Maranhenses: Barreirinhas, Santo Amaro ou Atins. Nesse post contamos o que achamos de cada um desses lugares!

A travessia pelos Lençóis Maranhenses se inicia em Atins e termina em Santo Amaro. Se você estiver com bagagem vai precisar de uma base para deixar a bagagem para fazer a travessia leve, só com o que você vai precisar para esses dias de caminhada. Nossa sugestão é deixar a bagagem em Santo Amaro ou Barreirinhas.

  • Se optar por usar Santo Amaro como base: dá para chegar de carro, ônibus ou transfer em Santo Amaro, deixar as bagagens e seguir até Atins, onde se inicia a travessia. O ponto negativo é que para ir de Santo Amaro a Atins você precisa passar por Barreirinhas. O ponto positivo é que a travessia termina em Santo Amaro e de lá você já vai poder pegar suas coisas e, se for o caso, curtir uns dias por lá. Santo Amaro é menor do que Barreirinhas e próximo à lagoas lindas.
  • Usando Barreirinhas como base: dá para seguir de Barreirinhas para Atins no passeio de barco ou de lancha. No fim da travessia, já em Santo Amaro, há vans que fazem o trajeto Santo Amaro – Barreirinhas (R$ 60, o trajeto demora aproximadamente 2 horas).
  • Por que não sugerimos Atins como base para deixar a bagagem para a travessia? Nós nos hospedamos nas 3 bases para conhecer os Lençóis Maranhenses e Atins foi a nossa favorita! Nós só não recomendamos deixar a bagagem por lá porque o acesso é mais demorado e difícil do que Barreirinhas e Santo Amaro. Nossa sugestão é você ir para Atins um ou dois dias antes da travessia só com a mochila que você vai levar para a travessia, assim não precisa voltar para Atins depois e buscar bagagem e de qualquer forma você já teria que se deslocar para Atins para iniciar a travessia. Além disso, você não vai precisar de mais do que um biquini ou bermuda de praia para aproveitar o vilarejo.

Caso você tenha mais dias pelos Lençóis Maranhenses, você pode tirar uns dias antes da travessia para ficar em Atins e outros depois para conhecer melhor as lagoas próximas à Santo Amaro.

Clique aqui para ver opções de hospedagem em Santo Amaro, Barreirinhas e Atins.

No nosso caso, estávamos em Barreirinhas, deixamos nossa bagagem e a nossa van por lá, em uma pousada que tem um quintal bem grande e cobra R$ 20 por noite para deixar o carro estacionado, a Sítio Parque Lençóis Maranhenses.

Para chegar até Atins, onde se inicia a travessia, fizemos um passeio de voadora pelo Rio Preguiças. O passeio sai por volta de 8h e te deixa em Atins depois do almoço, entre 13h e 14h, passando por Vassouras, onde ficam os Pequenos Lençóis (foto ao lado), Mandacaru e Caburé.

Nós particularmente não gostamos do passeio de voadora pelo Rio Preguiças, achamos muito turístico, mas é um passeio bem conhecido e recomendado. Uma opção mais rápida para ir de Barreirinhas até Atins é de lancha (o trajeto demora mais ou menos 1 hora).

Depois da travessia, chegamos em Santo Amaro em um domingo, na hora do almoço e não tinham mais vans para Barreirinhas. Por isso passamos a noite em Santo Amaro e retornamos para Barreirinhas apenas no dia seguinte, de van (R$ 60 – contato da van: (98) 9613-6320).

Nesse post do Viaje na Viagem você encontra mais informações sobre como se deslocar entre Santo Amaro, Barreirinhas e Atins.

O que levar para a travessia pelos Lençóis Maranhenses

O lado bom da travessia pelos Lençóis é que os pontos de apoio oferecem as refeições e hospedagem em rede, então dá para você fazer a caminhada com uma mochila leve.

Check list do que levar para sua viagem para os Lençóis Maranhenses:

Itens adicionais para a travessia:

  • Lanterna de cabeça (tem dias que a caminhada começa de madrugada)
  • Meia (depois de um tempo caminhando, se seu pé for fino pode ser que a areia “arranhe” um pouco a sola do pé)
  • Carregador portátil (os pontos de apoio tem energia solar e gerador, que geralmente fica ligado até umas 21h. Melhor garantir e levar o carregador externo)
  • Lanche para todos os dias de caminhada (uma barrinha ou algo leve, já que as refeições são feitas nos pontos de apoio)
  • Mochila

Quanto menos coisa você levar para a travessia melhor, para a mochila não pesar!

Ah, vale dizer duas coisas sobre a travessia:

  • Sobre água: Você só precisa levar água para o primeiro dia de travessia (considere de 1L a 1,5L por dia), para os outros você consegue comprar nos pontos de apoio.
  • Calçado adequado para fazer a travessia: A travessia é feita de chinelo, meia ou papete (a areia não fica quente, é super tranquilo caminhar). Não faz sentido usar bota de trilha para a travessia, porque vai entrar areia dentro da bota (a areia é fofa em alguns trechos) e você vai passar por água durante o trajeto, então vai ter que ficar tirando e colocando a bota. 

Em alguns trechos você vai passar por lagoas e a água pode chegar até em cima da cintura, então melhor fazer com bermuda ou shorts que secam rápido.

Roteiro da travessia

São 3 opções de roteiro: de 3, 4 ou 5 dias de caminhada. Nós fizemos o roteiro de 3 dias, com 40km de caminhada, mas ficamos com gostinho de quero mais! Nosso roteiro foi o seguinte:

Dia 1

Saída de Barreirinhas no passeio de lancha pelo rio preguiças até Atins, passando por Vassouras, Mandacaru e Cabure. Em Atins nosso guia nos buscou de quadriciclo e fomos até Bonzinho, onde começou a travessia. Caminhamos 10km até Baixa Grande para dormir lá!

Dia 2

Caminhada de 10 km até Queimada dos Britos para passar a noite, parada nas lagoas e pôr do sol nas dunas. Dependendo da época do ano, se o tempo estiver aberto você pode combinar com o seu guia para ver os plânctons na praia à noite de quadriciclo.

Dia 3

Caminhada de 20 km (começando de madrugada) até a lagoa da Gaivota, em Santo Amaro.

A travessia é feita pela praia e pelas dunas, com direito a muitos banhos nas lagoas pelo caminho!

Como são os pontos de apoio na travessia pelos Lençóis Maranhenses?

Durante a travessia pelos Lençóis Maranhenses você dorme na casa das pessoas que vivem na comunidade, que são os pontos de apoio.

Existe a possibilidade de acampar na travessia, é algo que os gringos procuram bastante, mas sinceramente nós não recomendamos, por alguns motivos:

  • Os pontos de apoio são simples, mas oferecem tudo o que você precisa e, depois de um dia de caminhada é bom ter um banheiro para tomar um banho
  • A caminhada é na areia, então quanto menos peso para carregar melhor
  • Nos pontos de apoio você consegue comprar água e fazer suas refeições

Sinceramente não vejo motivo para acampar nos Lençóis durante a travessia. Se você quiser fazer algo assim (nós fizemos), converse com seu guia para tirar um dia a parte, depois da travessia, para acampar nos Lençóis Maranhenses.

Vamos falar um pouco sobre os pontos de apoio na travessia então:

Onde você vai dormir? 

Em rede, mas é uma delícia. O segredo é dormir na diagonal para as costas não ficarem curvadas.

Os redários ficam no quintal, em uma área separada, e não dentro da casa das pessoas.

Na Queimada dos Britos o Carlos (nosso guia) criou um ponto de apoio com cama de casal dentro de umas cabanas rústicas, uma separada da outra. Então se você não curte rede é uma opção legal nessa parada.

Como é a comida? 

Uma delícia, mas não vai esperando pratos elaborados! O cardápio é arroz, feijão, macarrão, farofa, salada, galinha caipira ou se você não comer carne pode pedir para eles fazerem um ovo frito. A comida é caseira e feita na hora. Como a energia é limitada e não tem freezer, não tem suco ou coisas que precisam de refrigeração. De café da manhã tem café, frutas, bolo, tapioca e ovo mexido.

Tem internet? 

Não tem Wi-Fi e nos pontos de apoio não pegou nem o celular do Ale que é da Vivo, nem o meu que é da Claro. Melhor deixar avisado para os seus parentes e amigos que você vai passar uns dias offline. Pode ser que em algum ponto alto das dunas o sinal de celular pegue durante a travessia, mas não conte com isso.

Tem energia elétrica? 

Sim! A energia é solar e tem gerador, que geralmente fica ligado até umas 21h. Até esse horário você consegue carregar o seu celular (mas vale muito a pena levar um carregador externo).

Como é o banho? 

Os chuveiros e os banheiros são bons, a pressão da água é boa, mas não tem água quente (e você não vai sentir falta, porque faz muito calor por lá).

Vale dizer que se você está esperando luxo talvez não seja o rolê pra você, mas te garanto que você vai se sentir em casa nos pontos de apoio, as pessoas que cuidam são muito queridas e estão acostumadas a receber turistas!

Nesse reels a gente mostra como são os pontos de apoio na travessia pelos Lençóis Maranhenses.

Só dá para fazer a travessia pelos Lençóis Maranhenses caminhando?

As áreas que ficam dentro do campo de dunas do Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses, onde ficam os oásis, são consideradas Zona Primitiva (infos do ICMBIo).

Nessa área é proibido fazer passeios turísticos ou visitar em veículos motorizados. Apenas as famílias que vivem lá podem transitar em veículos motorizados “por questões de salva guarda a vida e transporte de pessoas, alimentos e materiais.” Ou seja, se você se machucar ou não aguentar fazer a caminhada pode pedir resgate, mas não podem ser feitos passeios para essa parte do parque em veículos motorizados.

É difícil fazer a travessia pelos Lençóis Maranhenses?

Se você tem um pouco de preparação física e curte caminhar vai ser tranquilo, por alguns motivos:

  • Você não passa o dia todo caminhando! Muito pelo contrário, a maior parte do tempo você estará curtindo nas lagoas ou descansando na rede
  • A areia não fica muito quente (o vento que faz com que a areia esteja em movimento)
  • A caminhada é planejada para que na maior parte o sol fique nas suas costas, o que dá uma amenizada (mas ainda assim é muito quente viu?!)
  • A caminhada não é correndo! Se você contratar guia privado vai ditar seu próprio ritmo e se você for em grupo a caminhada vai ser devagar
  • Se der ruim e você não conseguir caminhar até o fim pode pedir resgate! Nesse caso um quadriciclo do pessoal das comunidades pode te levar! No geral não são autorizados veículos motorizados nessa área primitiva do parque, a não ser para resgate ou para transporte próprio das pessoas que vivem na comunidade.

Precisa de guia para fazer a travessia pelos lençóis maranhenses?

Nós diríamos que é sim necessário guia para fazer a travessia pelos Lençóis Maranhenses. Você até pode entrar no Parque sozinho, mas nós não recomendamos por alguns motivos:

  1. Não tem nenhum tipo de demarcação ou placa indicando o caminho da travessia!
  2. É muito fácil se perder! Você fica desnorteado porque a paisagem é muito parecida e o mar sai da sua zona de visão em vários trechos. Inclusive já tiveram casos de pessoas que se perderam no parque e foram encontradas desidratadas
  3. Não tem sinal de telefone em vários trechos! O meu celular da Claro não pegou em nenhum lugar do Parque e o da Vivo do Ale pegou em algumas dunas mais altas, mas mesmo assim pegou mal. Então você estará incomunicável
  4. Todas as lagoas que nos banhamos estavam desertas, ou seja, se acontecer alguma coisa provavelmente não vai ter ninguém para te socorrer
  5. O vento pode apagar as pegadas das dunas, se você precisar voltar pode ser que não saiba por onde veio
  6. Se você fizer a trilha por algum app (tipo Wikiloc) e acabar a bateria do seu celular você pode se perder muito facilmente
  7. Você vai acabar se preocupando mais em encontrar o caminho e se localizar do que em curtir a paisagem

Pesquisamos e falamos com algumas empresas que operam na região para fazer a travessia e assim encontramos o Carlos Queimada, que foi nosso guia e super recomendamos!

O Carlos é de uma das 2 comunidades que vivem dentro do Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses, a Queimada dos Britos. Ele conhece os Lençóis Maranhenses como a palma da mão.

O contato do guia Carlos Queimada é (98) 9191-5566.

Além do Carlos Queimada, outros guias e empresas de turismo que fazem a travessia pelos Lençóis Maranhenses são: Paraíso do Caju Turismo (contato: (98) 8758-5433) e Venturas.

O que fazer nos Lençóis Maranhenses, além da travessia? 

No início desse post contamos que a travessia pelos Lençóis Maranhenses é bem completa, passando pelas lagoas mais bonitas do parque.

No entanto, caso você tenha alguns dias a mais pelos Lençóis Maranhenses, compartilhamos sugestões de roteiros pra quem não quer encarar os 40km de caminhada nesse post (e não faltam opções viu?!). 

Curiosidades sobre os Lençóis Maranhenses 

  • Por que se chama Lençóis Maranhenses? Poderia ser pelo lençol freático que fica a só 3 metros de profundidade, mas na verdade é porque visto de cima as dunas parecem lençóis amassados.
  • A água das lagoas é doce e morna! A chuva alimenta os lençóis freáticos, formando as lagoas.
  • Tem bicho! Durante a travessia nós passamos por gado, bodes, porco e muitos pássaros. Os animais são das pessoas que moram nas duas comunidades do parque e ficam soltos.
  • O Parque nunca é o mesmo! Com a ação do vento e das chuvas o parque sempre está diferente, as lagoas mudam de lugar, algumas rompem (a força da água pode romper a barreira de areia e ela vazar) e a paisagem sempre vai ser diferente! Tem lagoas que são permanentes e não secam, mesmo no período de seca.
  • Em algumas lagoas dos Lençóis Maranhenses tem peixe!
  • Tem dois oásis dentro do parque e algumas famílias vivem permanentemente lá

Curtiu esse post ou tem mais alguma dúvida sobre a travessia pelos Lençóis Maranhenses?! Deixa um comentário pra gente!

3 thoughts on “Tudo sobre a travessia pelos Lençóis Maranhenses

  1. Pingback: Onde se hospedar nos Lençóis Maranhenses - GetOutside

  2. Pingback: O que fazer nos Lençóis Maranhenses - GetOutside

  3. Pingback: Rota das Emoções: conheça um dos roteiros mais incríveis do nordeste!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.