Raramente escrevo posts filosofando sobre viagens. O GetOutside é o que se chama de destination blog, pois normalmente escrevo sobre roteiros e dicas de lugares que visitei.

Mas recentemente andei fazendo uma espécie de “análise social”, comparando as pessoas do meu convívio que viajam frequentemente, com as pessoas que não viajam, e cheguei a conclusão de que as pessoas que viajam são, invariavelmente, pessoas “melhores”.

Eu explico.

Ser uma pessoa melhor

Antes de listar minhas razões, preciso definir o que eu entendo por “ser uma pessoa melhor”. Sendo bem objetivo, uma pessoa livre (ou que tenta cada vez mais ser livre) de preconceitos, tolerante e com respeito ao próximo e às diferenças que temos e que devemos saber conviver é, na minha opinião, uma pessoa melhor.

Viver em sociedade é um dos grandes desafios do homem. Dentro do seu próprio círculo social existem MUITAS diferenças entre as pessoas, seja de cor, raça, classe social, opção sexual, preferência futebolística, religiosa e política, opiniões em geral, etc. Aquilo que você tem como uma verdade universal pode não ser nem de perto uma verdade para o seu melhor amigo.

Copacabana Copacabana, Bolívia.

Em épocas onde a opinião de uma pessoa é imediatamente recebida por milhares de outras pessoas, é muito fácil identificar as preferências, posições e opiniões de cada um sobre praticamente qualquer assunto. Basta uma breve passada de olhos pelo perfil do Facebook de uma pessoa para ver se aquela pessoa é preconceituosa, se ela é tolerante, agressiva, calma e muitas outras características que qualquer leigo consegue identificar.

O que quero dizer é que por uma breve passada de olhos pela rede social de uma pessoa é possível ver se aquela pessoa sabe lidar, respeita e aceita as diferenças. Falando em diferenças, aceitá-las e saber conviver com elas é, na minha humilde opinião, uma das maiores virtudes que podemos ter, e é justamente aí que eu quero chegar quando falo que viajar te faz ser uma pessoa melhor.

Porque viajar faz você uma pessoa melhor

O elemento chave, que torna a pessoa mais tolerante às diferenças está, na minha opinião, no choque de culturas. Quanto maior o choque cultural que você experimentar, maior será a sua tolerância para diferenças.

Experimentando a diferença cultural com seus próprios sentidos é que você vai questionar tudo o que você julga como verdadeiro, tudo o que você aprendeu ao longo da vida. Você vê um ser humano como você ter um estilo de vida completamente diferente do seu e começa a questionar: “Mas será que tudo o que sempre me ensinaram está certo?”

Ao conviver com outros povos e outros costumes você começa a perceber que o seu jeito de lidar com determinadas situações não é o único jeito de lidar com aquilo, talvez não seja nem o melhor jeito de lidar com aquilo.

Cairo Cairo, Egito.

As vezes situações negativas podem te impactar de tal forma que você passa ter uma outra visão sobre determinado assunto. O machista brasileiro, ao se deparar com a submissão da mulher no mundo árabe e machismo exacerbado daquela cultura, talvez passe a ver o machismo com outros olhos e passar a tratar melhor as mulheres. O mesmo raciocínio se aplica a pessoas homofóbicas que, ao ver como heterossexuais e homossexuais conseguem conviver de uma forma bonita em muitas culturas, passa a ter uma outra opinião sobre homossexuais.

E não existe jeito melhor de absorver choques culturais do que viajando. Apesar de não precisarmos sair da nossa própria cidade para encontrar um choque de cultura, fora do país você passa a ser o elemento estranho naquele lugar. O povo, que leva a sua vida daquele jeito há muitos anos, está pouco se importando com o que você vai achar do jeito deles de viver.

Inka Jungle Trek Trilha para Machu Picchu, no Peru.

E é nessa experiência honesta de uma cultura totalmente diferente da sua que você percebe que o seu jeito de tocar a vida é apenas mais um único jeito entre tantos os outros jeitos de se tocar a vida nesse mundo. E quanto mais você viaja, mais você se dá conta disso.

De tanto observar esses jeitos de se levar a vida ao redor do mundo você passa a aceitar e respeitar que as pessoas sejam e pensem diferente de você. E você traz isso para o seu dia a dia, já de volta ao seu país e, consequentemente, ao ser uma pessoa que aceita as diferenças, você passa, na minha opinião, a ser uma pessoa melhor.

O que vocês acham?

2 COMENTÁRIOS

  1. Seu blog é inspirador!! Eu como autentica sagitariana e estudante de história que sou, me identifiquei muito com sua definição de pessoa melhor e em todo site. Continue com esse projeto, pois ele é lindo.

DEIXAR UMA RESPOSTA

Coloque seu comentário
Coloque seu nome