Bonito foi um dos destinos da viagem de carro que fiz pelo Brasil em 2009. Dirigimos 6.000 km saindo de Porto Alegre, passando por Foz do Iguaçu, Bonito, Rio de Janeiro, litoral paulista e Florianópolis.

Bonito é um paraíso para os que procuram aventura e interação com a natureza. Eu fiquei abismado com a transparência da água, em se tratando de água de rio, que ocorre em razão da grande quantidade de calcário na água, o que faz com que qualquer partícula em suspensão seja calcificada, ficando assim mais pesada do que a água e, consequentemente, afundando.

A cidade de Bonito é pequena e até de difícil acesso, já que não existem voos diretos para a cidade. A melhor maneira de se chegar lá é por estrada mesmo. Apesar de pequena, a cidade é bem estruturada para receber o turista, com restaurantes, pousadas, alguns bancos e agências de turismo.

Aliás, quando estive por lá, todos os pacotes para passeios tinham que ser fechados por agências. Fechei meus pacotes com antecedência pela Agência AR, tudo muito tranquilo.

Enfim, chega de papo e vamos para as aventuras.

1. Abismo Anhumas

O acesso ao Abismo Anhumas se dá através de uma fenda na superfície, de onde você desce 72 km, somente por rapel, chegando a um deck instalado sob as águas do lago existente no interior do abismo.

O lago de água cristalina possui uma profundidade de 80 metros, algo realmente espetacular. Apesar de ser um dos passeios mais caros de Bonito, eu recomendo a todos que tiverem a oportunidade.

Um fato importante é que, em razão do controle sobre a atividade turística no abismo, somente 18 pessoas por dia podem visitar o local, o que significa que você deve marcar com antecedência.

A aventura começa, na verdade, um dia antes. Você deve realizar um treinamento de rapel em Bonito, onde serão ensinadas (e também praticadas) todas as técnicas que serão necessárias no dia do passeio.

Treinamento Abismo Anhumas

No dia combinado, você terá que se deslocar até a fazenda onde fica o Abismo, distante 23 km de Bonito. Leve água e comida, já que você passará muitas horas lá embaixo.

A primeira atividade é, obviamente o rapel. A descida é bem tranquila, exigindo somente que você tenha controle sobre o freio do equipamento.

Lá embaixo você fará um passeio de bote pelo lado, junto com um guia que irá explicar (com propriedade) toda a história do local, curiosidades, informações interessantes sobre a geologia e tudo mais. Um ponto que merece ser ressaltado é que todos os membros da equipe são muito qualificados, tanto no que diz respeito ao conhecimento dos equipamentos, segurança, etc, como também no que diz respeito ao conhecimento sobre o abismo.

Depois do passeio de bote colocamos a roupa de neoprene, máscara e snorkel, e partimos para uma volta no lago. Aos mergulhadores credenciados é possível fazer mergulho também, porém nós optamos pelo snorkel somente. A fauna é praticamente inexistente, pelo menos a olho nu, eis que a quantidade de luz lá embaixo é muito pouca.

Você verá somente pequenos peixes (como os da foto abaixo), mas o interessante mesmo são as formações de calcário ao fundo do lago, estruturas gigantescas e muito bonitas.
Abismo Anhumas

A água é muito gelada, então você terá que utilizar roupa de neoprene, que será provada e reservada um dia antes do passeio.

Ah, e por último a subida de rapel, certamente a parte mais cansativa. Um mínimo de preparo físico é exigido, já que você terá que usar da força, principalmente nas pernas, para chegar à superfície.

Acho que esse foi meu passeio preferido em Bonito, e olha que a concorrência foi muito forte. Acontece que o que se vê lá embaixo definitivamente não se vê todo dia. A combinação da água cristalina, a pouca incidência de luz e as formações de calcário dão um toque único ao lugar, isso sem falar que você está 72 metros abaixo do nível do solo.

2. Aquário Natural

Outro lugar que não deixaria de conhecer. E quando você chegar ao início da flutuação você vai entender (e concordar) porque o lugar é chamado assim.

Dizer que a água é límpida é chover no molhado, eu sei, mas a combinação da luz, com a cor das plantas e a grande quantidade de peixes fazem deste lugar uma visita obrigatória em Bonito.

O Aquário Natural faz parte da Reserva Ecológica Baía Bonita. Uma fazenda com uma estrutura excelente, realmente impecável, contando com piscinas, restaurantes, museus e outras atrações. Além do aquário natural, é possível fazer a trilha dos animais, um viveiro onde algumas espécies locais estão expostas à visitação, como sucuris, jaguatiricas, tucanos, tamanduás, dentre outros. Não sou um apreciador do animal preso, porém pelo que foi me dito somente animais que não podem mais ser soltos na natureza são mantidos no viveiro.

Mas a trilha do aquário natural é sem palavras. Não é permitido o uso de nadadeiras e é obrigatório o uso de colete salva vidas, justamente pra evitar que o fundo do rio seja revirado, causando um impacto maior.

O local de início da flutuação (justamente o aquário) é a nascente do Rio Baía Bonita, que mais à frente chegará ao Rio Formoso. O trajeto todo tem aproximadamente 900 metros, percorridos em aproximadamente 40 minutos. Ao final é possível brincar na tirolesa no Rio Formoso, muito divertido.

3. Gruta do Lago Azul

Cartão postal de Bonito, a Gruta do Lago Azul é também parada obrigatória. O número de visitantes é grande, porém o acesso à gruta é controlado e pequenos grupos descem acompanhados de guia e de forma ordenada.

O acesso se dá por uma trilha de pedras, uma descida irregular que vai até a proximidade do lago. E se tem que descer para chegar, tem que subir para sair, o que exige um certo preparo também.

Gruta do Lago Azul

O local é realmente bonito, fazendo jus a toda sua fama, porém infelizmente não é mais permitido o acesso ao lago, com exceção de expedições de pesquisa.

Gruta do Lago Azul

 

4. Rio Sucuri

Assim como todos os demais lugares que passamos, a flutuação no Rio Sucuri é controlada. O ponto de partida é a Fazenda São Geraldo, distante 18 km do centro de Bonito. A Fazenda é muito bem estruturada, com restaurante (excelente comida), área de convívio, redário, piscina natural, vestiários, etc. Além da flutuação, é possível fazer o passeio a cavalo, de bike e de quadriciclo.

Optamos somente pela flutuação. O passeio começa por uma pequena trilha que leva até o ponto de saída da flutuação. No caminho é possível observar as nascentes do rio e um pouco da fauna local.

O percurso é de aproximadamente 1900 metros, o que leva quase uma hora para ser percorrido. O interessante aqui é a correnteza, ou seja, você não precisa fazer absolutamente nada além de ficar com a cabeça na água de olho na fauna aquática e nas belezas do rio.

Foi um dia muito especial, já que chovia um pouco. A combinação da água da chuva batendo no rio e da mata ao redor foi algo espetacular.

Rio Sucuri

Em uma das raras vezes que tirei os olhos da água, resolvi flutuar de barriga para o céu por um tempo, sendo levado pela correnteza, e fui presenteado com um  grupo de macacos pulando de árvore em árvore, atravessando o rio de um lado para o outro.

Eu estava com um casal de amigos da Dinamarca, e naquele momento fiquei feliz de poder apresentar a eles a natureza do Brasil que é tão famosa lá fora.

5. Mergulho no Rio Formosinho

Por último, fizemos um mergulho com cilindro no Rio Formosinho. Eu nunca havia mergulhado com cilindro em água doce, e foi uma experiência bem diferente, já que o mergulho é bem raso e com uma correnteza bem forte.

Entramos na água e iniciamos nosso mergulho contra a corrente, o que exigiu um certo esforço. A fauna não é muito diferente do que você verá na flutuação em outros rios. A atração aqui ficou por conta da queda d’água que encontramos, onde foi possível ter uma perspectiva diferente de uma cachoeira (por baixo!).

 

2 COMENTÁRIOS

DEIXAR UMA RESPOSTA

Coloque seu comentário
Coloque seu nome